<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, abril 15, 2005

A pedido de várias famílias, aqui estão as respostas ao questionário.
(Naaaa... foi só a pedido do Tiago.)

Vocês não estão bem a ver o que me custa responder a este questionário. Eu vivo rodeada de livros. Eu tropeço em livros. Eu tenho livros em pilhas no chão por já não caberem nas estantes da sala (que são do chão ao tecto) e nas estantes do escritório. Tenho livros na cozinha, na casa-de-banho e no hall de entrada. Eu já não tenho uma secretária porque ela desapareceu debaixo de pilhas de livros e de partituras. Eu tenho uma enciclopédia médica debaixo do colchão, ao nível da cabeça (soluções caseiras para quem sofre de refluxo esofágico). Eu ando à espera de que a nova biblioteca de Queluz finalmente abra para poder dar livros.
Eu... eu... Enfim... *suspiro*
Cá vai:


1- Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?

A poesia todinha do Eugénio de Andrade. Uma paixão assolapada que começou na pré-adolescência e se mantém até hoje, passados que são mais de 20 anos. Portanto, presumo que vá morrer comigo. A contenção e a nobreza com que este homem fala dos afectos (e da vida, o que é o mesmo) toca-me como nenhum outro poeta até hoje (e temo-los tão bons e eu gosto tanto deles...). Mas este é especial, porque os descreve com eu os sinto.

(Além disso, se não pudesse mesmo sair do Fahrenheit 451, já tinha meio caminho andado, porque sei muitos poemas dele de cor.)


2- Já alguma vez ficaste apanhadinh@ por uma personagem de ficção?

Assim apanhadinha, apanhadinha, não. Mas sinto-me sempre identificada com as personagens do Javier Marías ou da Mercé Rodoreda. E não posso esquecer a estupefacção (e a identificação) que senti perante a personagem Robinson, de Sexta-Feira ou Os Limbos do Pacífico, de Michel Tournier, um dos livros da minha vida. Gosto sempre muito das personagens do Saramago, também.


3-Qual foi o último livro que compraste?

O Corão, em Árabe. (Sim, já sei que não me serve para nada, mas é bonito! Também tenho um Novo Testamento em Mandarim igualmente inútil mas muito estético...)

4- Qual foi o último livro que leste?

Hummm... conta o belíssimo álbum de fotografias de Lisboa do Eduardo Gageiro (Lisboa no Cais da Memória, 1954/1974) que desfolhei de uma ponta à outra, sem parar? Pronto, está bem: não tem letras. Então deve ter sido Memoria de Mis Putas Tristes, de Gabriel García Marquez.

5- Que livros estás a ler?

Esta pergunta é do caraças... eu ando a ler tanto livro...
Bem, primeiro, e por questões de trabalho, Jesús o El Gran Secreto de la Iglesia, de Ramón Hervás (vai ser brevemente publicado e eu ando a rever a tradução, a ver se o trabalhinho está bem feito...). Outros: Breve História de Quase Tudo, de Bill Bryson (divulgação científica); A Pianista, de Elfriede Jelinek (o que eu adoro personagens maníacas e solitárias); O Fantástico Mundo dos Chakras, de Dominique Lecroq (este vou lendo aos bocadinhos); Baudolino, de Umberto Eco (ando nisto há uns dois anos... há sempre outros livros que se metem pelo meio. Será que é desta?); O Livro Tibetano da Vida e da Morte, de Sogyal Rinpoche (este é para ir lendo, também); O Aborto de Deus, de Alain Decaux (sobre a vida de São Paulo); Vivir para Contarla, de Gabriel García Marquez; Delirio, de Laura Restrepo (escritora colombiana que venceu, com este livro, o Premio Alfaguara de Novela 2004); Cuentos, de Juan José Millás. Acho que já chega... É que há mais!
Esqueci-me da Bíblia (de vez em quando, lá leio mais um bocado).


6- Cinco livros que levarias para uma ilha deserta

Ai, estas perguntas! Podem ser uns 30?
Pronto, está bem:
Sexta-Feira ou Os Limbos do Pacífico, de Michel Tournier.
Toda a obra poética de Eugénio de Andrade.
Toda a obra de Eça de Queiroz.
A Bíblia e/ou o Corão.
Uma história da arte, daquelas enormes, que tivesse uma antologia abrangente da pintura europeia desde a Idade Média até aos nossos dias (com especial incidência no Renascimento e no Primeiro Barroco, claro!).

Ficam para trás Fernando Pessoa, Vergílio Ferreira, Gil Vicente, Camões, Jorge de Sena... etc, etc...


7- Três pessoas a quem vais passar este testemunho e porquê?

E as vítim... perdão... os nomeados são:

[rufar de tambores]

A Truta Laranja.
O Katraponga.
O Vítor.

(É preciso dizer porquê? Se os escolhi, não foi ao acaso. É porque estou interessada em saber o que vão responder, claro!)