<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, maio 23, 2005

Ainda a Propósito de Boas Notícias...

A meio da tarde alguém me telefonou para confirmar uns concertos em Agosto e a (des)propósito comentou que tinha encontrado fulano tal, que eu (re)encontrei muito recentemente num concerto... A estória até tem piada porque, no fim do concerto, quando olhei para o tipo não o reconheci imediatamente e sorri na sua direcção. E cinco milionésimos de segundo depois tinha o meu cérebro a gritar "Burra! Estás de relações cortadas com esse gajo!". Tarde demais, engoli o orgulho e pensei de mim para mim que, se não me lembrei imediatamente do que era, então já não interessava para nada e assim como assim podia dar-me ao luxo de passar por boa alma. Ora nesse telefonema, esta pessoa insuspeita torna-me a falar deste sicrano. Ao que parece tem uma dívida de gratidão para comigo (o fulano). A única lembrança vívida que tenho do episódio com esta criatura é de que, em resposta, lhe enviei um email no qual o mandava à merda por substantivos, verbos e adjectivos um bocadinho mais refinados. Se calhar era a isto que ele se referia. Conclusão: Todos beneficiamos com a honestidade.