<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, setembro 20, 2005

Feng-Shui

Eu não sei quantos de vós estão familiarizados com este termo e respectivo significado, mas desde que obtive o aval do banco relativamente ao crédito que solicitei para habitação (para quem sonhava sair de casa aos 18, estar a fazê-lo com 27 é sem dúvida redefinir a imagem que tinha de si própria na adolescência...), ou seja, desde sexta-feira passada, tenho tido pesadelos horríveis... Desde o clássico "não conseguir pagar as contas" ao excêntrico "eu tenho uma arma na mão e estou mesmo a fazer pontaria e a atirar noutras pessoas...".
Ok... Ainda tive alguma consciência moral de no sonho atirar ao rabo dos outros (e sim, foi depois da conversa com a minha irmã, ver post mais abaixo), portanto não era a matar... Era só para doer um bocadinho... Esqueçam... Eis que descubro uma forma de tentar harmonizar a situação, e principalmente dar algum descanso à minha pobre cabecinha. Descobri um livro de introdução ao Feng-Shui, que me assegura de que todas as minhas maleitas não são mais do que um desequilíbrio energético, passível de ser harmonizado pela disposição de objectos no meu lar.
Ora, eu quero mesmo, mas nem sabem quanto, mesmo, acreditar nisto. E resolvi aplicar um simples mapa que distribui oito áreas essenciais da vida pela planta do meu modesto T1. Eis que descubro aquilo de que já eu própria desconfiava há algum tempo. A minha área dos relacionamentos é completamente absorvida pela casa-de-banho. E eu até lamento não ser muito dada a fetiches desta natureza. Isto é muito mais grave... Isto quer dizer que toda a energia que poderia ser canalizada para um relacionamento intelectualmente, sexualmente, emocionalmente estimulante (e que deveria estar concentrada no meu quarto!) irá, literalmente, pelo cano. A conselho de uma amiga minha, que não acredita em nada disto, pode ser que a coisa se resolva com uma planta no local... A esta hora e depois de dois episódios de Sexo e a Cidade, no canal 6, passou-me um bocado a paranóia. Acho que vou deixar passar uns meses antes de lá meter a planta. Se a coisa resulta, quero aproveitar para filtrar alguns anos de r(e)(a)lações e descarregar o autoclismo.