<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, agosto 31, 2004

A tradição é um bem a defender IV

Ao ouvir Zita Seabra falar na RTP 1 sobre as alternativas ao aborto fornecidas pela sociedade e pelo estado portugueses, e considerando que:
- continua a ser boicotada, pelos mesmo arautos da "vida" que se manifestam furiosamente contra a auto-determinação das mulheres, a implementação de uma verdadeira educação sexual nas escolas;
- a educação, a informação e o interesse dos jovens e da população portuguesa em geral são reconhecida e comprovadamente deficientes;
- a informação sobre contraceptivos como a pílula, o DIU ou mesmo o método das temperaturas não me parecem muito eficazes à posteriori;
- e uma vez que a dita senhora não apresentou um único argumento esclarecedor da essência ou da prática dessas alternativas, cumpre-me deixar esta lista de opções ao dispôr das mulheres eventualmente interessadas e até do estado para que possa organizar melhor estes sectores da nossa sociedade, por forma a que a resposta a estes "momentos de terrível sofrimento na vida de qualquer mulher" sejam grandemente minorados. A saber:
- dar a criança para adopção, uma vez que eramá se colocou termo ao velhinho e eficiente sistema da "Roda" nos conventos e misericóridias por esse país fora;
- vender a criança a casais ricos do primeiro-mundo, prática que tem dado reconhecidos frutos em países que se debatem com situações semelhantes à nossa, como a China ou o Cambodja;
- o mui respeitável recurso ao trabalho como "alternadeiras";
- vender o corpinho na rua, de preferência sem chulo, que sempre mama um bocadito do income;
- o abandono puro e simples - alguém há-de dar pelo berreiro.


Perdoem-me o sarcasmo. Mas é cada vez mais difícil levar a sério o autismo e a prepotência. Em suma, o fascismo sobre o meu próprio corpo.