<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, julho 28, 2005

A Birra do Morto, III: Os Afectos de Quixote ou A Sorte Conserve as Tristes Figuras

Muito pertinente, este post da Teresa Cascudo, que levanta questões culturais e sobretudo sociais e de cidadania. Falando por mim, e trabalhando [embora cada vez menos e o futuro dirá até quando] dentro da FCG, assisti estupefact@ ao ímpeto destruidor desta administração - as Jornadas de Música Antiga e Música Contemporânea, o ACARTE -, esperando sempre quando chegaria a nossa vez, orquestra e coro. Parece aproximar-se [hoje ouvi o primeiro boato acerca dessa extinção final, juntando às declarações da Teresa Gouveia ao Público, diria que o horizonte é negro], mas não foi isso que me impeliu para a organização da petição. Há qualquer coisa de inexplicável na reacção a esta extinção, qualquer coisa que é da ordem dos afectos e da identidade. E talvez por o nível do Ballet Gulbenkian ser tão indiscutivelmente alto, é o maior dos sinais de alarme que se ouse extingui-lo - é um alarme generalizado na área da cultura, não só dentro da Fundação. Digamos, e agora falo por mim, tentando dar uma achega às questões levantadas pela Teresa, que esta me fez "saltar a tampa". Talvez demasiado tarde.

Quanto à dicotomia "património/contemporaneidade", e pensando agora em algo que, sinceramente, nem me tinha cruzado o espírito, talvez o património que o Ballet Gulbenkian representa seja precisamente essa contemporaneidade, esse cosmopolitanismo e essa larga visão artística que tanto falta em Portugal. É um património deveras abstracto, mas não menos valioso, num país que a cada dia parece construir-se sobre a mesquinhez, a estreiteza de horizontes e o provincianismo, como se pode aferir pelos outros casos referidos pela Teresa - o mais escandaloso dos quais será precisamente o fim do financiamento da PT aos concertos Em Órbita, que abandonaram também um público fidelizado e apreciador do extraordinário nível artístico dos músicos que nesse âmbito nos visitavam. Esta avalanche anti-cultura não poderia ser mais desesperante neste país que a cada dia encolhe a olhos vistos.

Adenda: Só posso lamentar que "nós", os que não têm o poder nas mãos, não alimentemos uma cultura de lutar pelas coisas e fazer valer a nossa cidadania - senão para impedir aberrações como esta, pelo menos para lançar reflexões e ir mudando mentalidades. Deixar de assinar de cruz no boletim de voto.