<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, agosto 01, 2005

Como neste momento não me sinto capaz de vos descrever o que foi esta tarde...

... sem que me venham as lágrimas aos olhos ao recordar cada gesto da Cantata - que foi a última coreografia a que assisti no palco do Grande Auditório da Gulbenkian e que hoje transportou toda a plateia do Camões para o espaço quimérico de liberdade, alegria e arte que é o Ballet Gulbenkian -, deixo-vos apenas uma pequena reflexão:

- O que os [ex-]bailarinos do Ballet Gulbenkian fizeram hoje pelos espíritos presentes no Teatro Camões e fora dele está fora da compreensão do Rui Vilar e da Teresa Gouveia. Nós fomos vergonhosamente roubados. Mas apenas os insignes administradores são dignos de pena.

E para estes dois carrascos de uma fatia rica e insubstituível da arte, da cultura e da identidade deste desnorteado país, Sr.Rui Vilar e Srª.Teresa Gouveia, as palavras que se seguem eu vos dedico, diligentemente.


O verão é assim: a masculina e mineral
e quase táctil vibração das cigarras.
Não sou apenas eu, também elas
se alimentam de claridade,
fogem do escuro.
Porque o escuro é onde se abrigam
a calúnia e a usura,
o escuro é onde a vaidade
e a demência do lucro acorrem
ao apelo do mais rasteiro.
O Céu não passa de um imenso
e vazio buraco negro,
mas tenho esperança que o Inferno
conserve ainda activas as fogueiras
da inquisição, e nas suas chamas
possam ouvir-se um dia
esses cães, que tanto abusam do poder,
rechinar - como as cigarras no verão.


Eugénio de Andrade

Atentamente,
Manel da Truta