<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, agosto 23, 2005

Dou por mim a pensar como será...

Acordar estremunhado e quente sem que o corpo ao lado se insinue e perceber que a chama interior não passa de uma vã metáfora, comparada com o inferno que se constrói lá fora, sobre a caruma seca e as pinhas caídas. Ver voar botijas de gás e tombar copas e vigas que asseguram que não dormes, e que, ao contrário de nos sonhos afoitamente despertos antes da queda, não sabes se sairás vivo nem quantos vivos sairão contigo.

Dou por mim a pensar como será ver as chamas irromperem pelas vidas, pelas casas, e enfim pela cidade. A pensar que as lágrimas de revolta frente a um écran nunca evaporarão antes de percorrerem a curva dos lábios, nem que lá fora o termómetro marque quarenta à sombra.



Dou por mim a pensar no que restará. Para além de uma bravura démodée e não necessariamente fardada que enfrenta o perigo para tentar salvar o que está condenado pela irresponsabilidade, pela incompetência, pela ganância, pelo crime. E que a minha admiração pelos que se fazem a uma mata em chamas crescerá sempre na razão inversa do meu desprezo pelos criminosos. Os activos e os passivos.