<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, setembro 30, 2005

Maria, Maria, mistura a dor e a alegria

Conheci-a este verão e rapidamente lhe ganhei afecto. Também cantora, também actriz, os poucos dias que com ela passei no Meco foram o suficiente para lhe sentir a energia e pensar que algo me dizia que a gaja só podia ser boa no que fazia. Há assim uns palpites que nos surgem não se sabe bem de onde, de uma empatia talvez, de uma bizarra e inexplicável sensação de reconhecimento. E a verdade é que se revelaram acertados. No meu aniversário, há um mês, a Mariana Abrunheiro ofereceu-me o disco Soltar a Língua, do Trigo Limpo-ACERT, onde a sua voz brilha, onde parece que a vemos sorrir. Bem me parecia, pensei contente logo à primeira audição. Ontem fui ao Luso Café, fazer a minha prova final. Como eu esperava, foi noves-fora-zero.



O espectáculo "Marias", que a Mariana e o Rúben Alves têm apresentado por Lisboa - e esperemos que por aqui não se fiquem - passeia por três belíssimos textos e um repertório maravilhoso, em que na quente cama para si feita pelo Rúben, a voz da Mariana se estende, rebola, dança e grita. Rúben Alves é um pianista seguríssimo, sem medo de arriscar mas sem arroubos de virtuosismo a despropósito, com uma apuradíssima sensibilidade e uma nítida sintonia com a sua cantora. A comunicação entre ambos envolve o público, constantemente arrastado pela presença e pelo olhar cúmplice da Mariana. Os seus recursos são muitos e inteligentemente usados, e é um bálsamo, em dias como estes em que as jovens cantoras se especializam num registo mais ou menos interessante - o mais das vezes, menos - ouvir alguém que se diverte com a voz, que brinca com os registos, com os estilos e com os timbres, bem servindo as palavras, em partilha e disponibilidade. E ontem tivemos ainda como brinde essa voz esmagadora de José Medeiros. Se eu já estava emocionad@ a ouvir a Mariana, quando o Zeca Medeiros abriu a boca lá veio a teimosa lagriminha que gosta de assistir a estas coisas do seu camarote ao canto do meu olho - mas isso é o costume, eu oiço aquela voz sempre vinda das profundezas da alma do seu dono e fico logo a tremer, acto contínuo.

A voz da Mariana também vem da sua alma, límpida, escura, burilada, rude, doce, triste, feliz. Temos cantora, senhores. Mais, temos artista. Mantenham-se atentos e tentem ir vê-la e escutá-la um dia. Talvez, como eu, saiam gratos e felizes.