<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, outubro 22, 2005

Amar não é pecado, pecado é andar no mundo sem ter amor a ninguém.

Já conhecedora desta mágica noite de fados à luz da candeia, ontem rumei ao S.Luiz para rever Cabelo branco é saudade. E foi emocionante. Da terceira fila da plateia os arroubos e os pianíssimos ornamentos de Argentina Santos são mais arrebatados e mais requintados na filigrana, mais profunda a voz cava de Celeste Rodrigues, mais canalha, charmoso e comovente o canto castiço de Alcindo Carvalho, mais amplos o vozeirão, a sensibilidade e a maturidade musical do puto Ricardo Ribeiro, mais impressionantes a qualidade e o profissionalismo dos também putos Bernardo Couto [guitarra], Diogo Clemente [viola e direcção musical] e Nando Araújo [viola baixo].

O espaço cénico de Nuno Carinhas é belíssimo, dourado e negro, assomado pela classe de um biombo de cascas de sobreiro que a luz torna cor do ouro. Jóias da voz e do sentir são todos estes fadistas, os três primeiros na casa dos oitenta, o puto com vinte e quatro anos. E vive-se uma privilegiada partilha de energia e alma, fado, amor e experiências de vida. Só Ricardo Pais poderia de modo tão sublime transformar Celeste Rodrigues e Ricardo Ribeiro num casal que desfia mágoas e felicidades, só Ricardo Pais poderia criar um objecto tão simples, com marcações tão certeiras e tão sensíveis aos "bichos" especiais que com este espectáculo se passeiam nos maiores palcos do país e da Europa como se sozinhos estivessem num buraco de Alfama, em comunhão de música e alma. Só o cosmopolita Ricardo, que sempre olhou para a frente e para fora, poderia tratar o fado de modo tão interior, respeitoso, amoroso.

Conheço mais do que um alérgico ao fado que sucumbiu a este espectáculo - só uma pedra consegue ficar indiferente à primeira intervenção da fabulosa Argentina, daí para a frente é ver passar as lágrimas. Ontem, mais um me confessou que também já era repetente do espectáculo - Mas não contem a ninguém que vos disse isto, é que eu odeio fado!



Cabelo Branco é Saudade, de Ricardo Pais, hoje, dia 22, às 21h e amanhã às 17h no Teatro Municipal de São Luiz, em Lisboa. Regressa-se então à casa-mãe, o Teatro Nacional de São João, no Porto, para espectáculos a 3, 4 e 5 de Novembro.