<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, novembro 08, 2005

O triplo salto

A partir dos confrontos em França, o Hetero_doxo faz um belo e triste post sobre esta bela e triste Europa. Ainda ontem falava com o Pagan, e ambos sentimos que algo está para acontecer. Algo assustador, talvez, mas inevitável e talvez até necessário. Esta sociedade "euro-americana", que apregoa a justiça mas vive e se alimenta da exclusão - sem ela, a exploração nunca seria possível -, que mergulha numa globalização puramente economicista e esclavagista, que arruma a sua mão-de-obra em caixotes fechados a qualquer perspectiva de uma vida mais plena, ao menos uns quantos nós acima do limiar da sobrevivência, que desdenha do Estado-Providência e da solidariedade dentro das sociedades como se fossem cancros, enquanto mina militantemente as conquistas que os mais optimistas gostam de encarar como solidificadas e garantidas, esta sociedade, dizia, está numa crise diferente das que já lhe conhecíamos. E é bom, se não queremos perder os faróis, que não nos esqueçamos de que a responsabilidade é de todos. O outro somos nós. E não é um pénis branco, heterossexual e cristão que nos coloca no patamar ariano da santidade.