<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, janeiro 17, 2006

Razões para não votar Cavaco XVIII

Porque as geniais palavras que se seguem, escritas já nos idos de mil e setecentos, o foram nitidamente para ele:

Já não há vergonha nisto: a hipocrisia é um vício da moda, e todos os vícios da moda passam por virtudes. A personagem do homem de bem é a melhor de todas as personagens que se podem representar hoje-em-dia, e a profissão de hipócrita tem maravilhosas vantagens. É uma arte cuja impostura é sempre respeitada; e quando descoberta, nada se ousa dizer contra ela. Todos os outros vícios dos homens estão sujeitos à censura, e cada um tem a liberdade de os atacar abertamente; mas a hipocrisia é um vício privilegiado, que, com a sua mão, fecha a boca a todo o mundo, e usufrui tranquilamente de uma impunidade soberana. Cria-se, à custa de dissimulações, uma sociedade fechada com todos os que tomam esse partido. Quem afronta um vê-se a braços com todos os outros; e aqueles que sabemos agirem de boa-fé acerca do assunto, e que são conhecidos por acreditarem verdadeiramente, esses, digo eu, são sempre os instrumentos dos outros; deixam-se manipular inocentemente pelos dissimuladores e apoiam cegamente as suas acções. (...) Bem podemos conhecer as suas intrigas e a eles mesmos pelo que são, não deixam por isso de merecer crédito entre toda a gente; e qualquer vez que baixem a cabeça, suspirem de despeito, e rolem duas vezes os olhos, é quanto basta para que o mundo não lhes cobre o que fazem.

Molière, Dom Juan
tradução aqui do Manel [sob a inescapável e positiva influência de Nuno Júdice]