<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, abril 16, 2006

Do lado do sol

A Rua das Flores foi, há um ano e durante três saboreados meses, eixo do meu quotidiano entre a Ribeira e Cedofeita. Também eu a percorria do lado do sol, com ou sem música nos ouvidos, com algumas escalas ora na pequena Igreja da Misericórdia, ora frente ao palacete dos Maias, ou apenas com o sol na cara e o ar do rio insinuando-se, o cantar do Porto misturando-se com o berrar das gaivotas.

Nunca me cruzei com essa sombra de bloco na mão. Mas, coincidentemente, tenho dado por mim a pensar várias vezes na aparente morte em vida que algumas demências aparentam ser. E ao observar um dos muitos exemplos que povoam as ruas do Porto, senti uma súbita e não totalmente nova admiração misturada com compaixão. Parece um lugar escuro, a negação, um lugar de morte. Mas é por vezes a escolha de uma consciência que recusa viver com o buraco negro deixado por uma perda insuportável, que recusa por essa perda ser transformada, desencantada, amargurada. Seca. Talvez para alguns espíritos, e face a algumas perdas, a loucura não seja um preço demasiado alto.