<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, abril 26, 2006

A voz nas vozes [ou Revolução 4]

Ao fim de uma jornada de trabalho, o primeiro 25 de Abril a trabalhar de manhã à noite, o segundo sem sentir no corpo aquela tremenda energia que enche a Avenida, da Liberdade ela mesma, sem cantar abraçada a alguém acabado de conhecer ou a um amigo, irmão ou conhecido de longa data. Sem cravo no cabelo. Passo no meu inescapável Renas e vou parar a esta página. Antes de mais, queria agradecer ao Boss, pelo seu post A Internacional Grândola Vila Morena - o título aqui reproduzido por inteiro pelo simples facto de o achar maravilhoso - que me emocionou [e me fez rir também] e me acordou a memória física dessa energia que tanta falta me fez. Naturalmente, agradeço, acima de tudo, ao elidiez por recolher e publicar estas preciosidades. Ouvir novamente a poderosa Grândola de Charlie Haden, aquelas vozes tão sul-americanas da versão chilena, e, muito especialmente, a tocante e tão próxima versão galega, é um doce modo de dizer "Bom dia!" ao trigésimo terceiro ano da nossa revolução. E de ver viver ainda hoje um músico livre e genial chamado José Afonso.