<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, fevereiro 25, 2005

Surpresas que o não são.

Conheci o Filipe Palma há ano e meio no Faial, e foi com ele que subi ao Pico, num dia que nunca esquecerei. O Filipe é uma pessoa que me fascina. Simples e inteligente, calmo e cheio de energia, de bem com a vida e ávido dela. Deliciei-me com os relatos dele sobre o Nepal -e com a forma singela como dizia que o povo nepalês é o mais feliz do mundo, não obstante as carências com que vive-, com a maneira ternurenta como falava dos périplos de bicicleta pelas Flores com as sobrinhas, com a vida que escolheu viver, abandonando o ensino para viajar e explorar, dar e receber, respirar e conhecer, conhecer conforto e desconforto. Abraçar o mundo e perder-se por dentro dele. Muito me tocou a prenda que me ofereceu no regresso à Horta, por ser testemunho da amizade que nasceu naquelas horas de esforço e de fascínio. Ontem peguei no Público e fiquei a saber que o meu amigo Filipe foi para a Antárctida de caiaque. Só tem três fósforos para três dias, mas isso não me preocupa, porque sei que não o preocupa. Sei que está feliz, sozinho, não no meio do nada, mas no meio de tudo. E por momentos, enquanto lia a última página do jornal, senti-me lá, com ele. E aproveitei para lhe deixar um beijo e toda a minha admiração.

Dá-lhe, Filipe!