<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5669356\x26blogName\x3dThe+Amazing+Trout+Blog\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dTAN\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://theamazingtroutblog.blogspot.com/\x26vt\x3d-5897069651571143186', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, abril 10, 2006

Ai...

Desculpem, não encontrei melhor título - e sinceramente nem me dei ao trabalho. Serve o presente apenas para vos falar um pouco da entrevista que Carlos Fragateiro, novo co-director do D.Maria II, deu à Visão em conjunto com o co-director José Manuel Castanheira [fonâmbulo para sonâmbulos, em constante tentativa de equilibrar na sua vara de esteta do teatro o pato-bravo que insiste em nela pousar]. Não é que me apeteça dissertar sobre isto. Mas há umas pequenas coisinhas que têm absolutamente de ser sublinhadas.

A primeira é que, ao contrário do que afirmou e reiterou no Expresso [ver por onde nadava a truta há três meses...], a programação para este ano não se mantém. Os Praga [ou, como surge escrito na Visão, o Teatro de Praga, sendo que Praga, neste caso, fica ali mesmo ao lado do Campo de Santana], como companhia marginal que são, até podem preencher uma Culturgest, mas nunca uma Sala Garrett sob a égide de CF. Os espectáculos no Salão Nobre são fait-divers, donde, também foram à vida. Foi-se, pois, a promessa de manter os compromissos assumidos para este ano, com a maior cara de pau, como se o contrário não tivesse sido afirmado ipsis-verbis e repetidamente. Bom, seja...

A segunda é que CF vem dizer que um dos grandes defeitos da direcção de António Lagarto é que os dois teatros nacionais viviam de costas voltadas. Presume-se que com CF as coisas devam mudar. E para começar, CF traz em Julho ao Rossio, o Don Juan de Molière que há uma ano apresentou o Teatro do Bolhão, enquanto o São João traz na mesma altura ao São Luiz o Dom João de Molière que foi estreado no TNSão João em Fevereiro e será reposto a partir de 18 deste mês de Abril. E isto é não estando de costas voltadas. Mas parece-me que também não estão de frente... ainda devem estar só de lado.

Por fim, e isso sim, preocupa-me de sobremaneira, novamente a ficção nacional - onde se fazem os piores textos de que há memória e que alegremente continua a trabalhar na calcificação das sinapses dos portugueses - essa ficção nacional dos Morangos com Açúcar, do Dói-me quase Tudo e outros títulos tirados das piores canções de casino que a pseudo-pop-beta portuguesa nos tem dado, essa ficção continua a ser brandida como exemplo pelo director do TNDMII. E para acompanhar o prato, só mesmo a defesa dos espectáculos feitos no Trindade sobre os textos de Freitas do Amaral. Textos maus, para maus espectáculos com má direcção de actores. Sinceramente, isto preocupa-me. Só posso esperar que o que Castanheira não disse exista na mesma, trabalhe e dirija na mesma e compense os chorrilhos de palavras vazias que preenchem o discurso do director designado para o nosso primeiro Teatro Nacional.

Acreditem-me, eu desejo o melhor. Mas o horizonte do teatro institucional português mantem-se um ringue de tachos e panelas tentanto a todo o custo não perder a tampa. Nada de espantar, no entanto. Pois se o teatro é o retrato do país, então pode dizer-se, como do país se usa dizer, que temos o Teatro que merecemos.